quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Elba Ramalho faz compras em shopping no Rio

Cantora esteve em um shopping nesta terça-feira, 15.

Elba Ramalho aproveitou a proximidade do Natal para fazer compras. A cantora foi a um shopping em São Conrado, Zona Sul do Rio, nesta terça-feira, 15. O que será que ela comprou?

Fonte: EGO

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Elba Ramalho, a dona do forró

Elba Ramalho nem sempre foi forrozeira. Nascida em Conceição do Piancó (PB), criada entre baiões e xotes de Luiz Gonzaga e cocos de Jackson do Pandeiro, se encantou com o rock ao iniciar sua trajetória musical, como baterista do grupo feminino As Brasas, à época da Jovem Guarda. Só em meados da década de 1970, ao se mudar para o Rio de Janeiro, na companhia do Quinteto Violado, para participar do show A feira, a cantora acabou tornando-se “a voz do Nordeste”.

O grande público descobriu sua voz agreste e forte e seu canto rascante quando tomou parte da primeira montagem da Ópera do malandro. No musical, criado por Chico Buarque, o personagem de Elba contracenava com o vivido por Marieta Severo. As duas dividiam a interpretação da canção O meu amor. Favorecida pela repercussão do espetáculo, ela estreou em disco com o Ave de prata, lançado pela CBS. A mesma gravadora faria depois outros dois LPs da paraibana — Capim do vale (1980) e Elba Ramalho (1981).

A cantora será a atração principal do Forro Bodó, a festa do Dia Nacional do Forró, que será comemorada hoje, a partir das 9h, na Esplanada dos Ministérios, juntamente com trios de forró, do sanfoneiro Marcos Farias (filho de Marinês) e banda e do grupo Pé de Cerrado. De acordo com a produção do evento, ela deve subir ao palco — instalado em estacionamento próximo ao Conjunto Cultural da República —, por volta das 19h30.

Embora ritmos nordestinos sempre tenham marcado presença nos trabalhos de Elba, foi a partir do Remexer, LP de 1986, que ela abraçou de vez o forró. Em seu repertório destacam-se sucessos como Banho de Cheiro (Carlos Fernando), Bate coração (Cecéu), Remexer (Luiz Caldas) e Leão do Norte (Lenine e Paulo César Pinheiro).

Sua imagem como “musa do forró” ficou ainda mais fortalecida a partir da gravação dos CDs Canta Luiz (2002), em homenagem a Luiz Gonzaga; e Baião de dois (2005), no qual celebrou a amizade com Dominguinhos, com quem gravou 11 clássicos de autoria do sanfoneiro pernambucano. Em Balaio de amor, lançado este ano, com a assessoria do acordeonista César Silveira, o Cezinha, Elba revela para o país jovens compositores do gênero — originários de Pernambuco.


FORRO BODÓ
Festa comemorativa do Dia Nacional do Forró com shows de trios, do sanfoneiro Marcos Farias e banda, do grupo Pé de Cerrado e da cantora Elba Ramalho e banda, hoje, a partir das 9h, na Esplanada dos Ministérios, com palco instalado no estacionamento próximo ao Conjunto Cultural da República. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Ponto a ponto - Elba Ramalho
Ritmos nordestinos
“Na companhia do Quinteto Violado, durante a turnê do espetáculo A feira, comecei a cantar baião, xote, coco, mas ao me fixar no Rio meu repertório tornou-se bem variado. Isso pode ser observado em meus três primeiros discos. A partir do quarto, o Alegria o foco sobre ritmos nordestinos aumentou. Passei a gravar bastante Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Dominguinhos, Cecéu. Gradualmente, e com grande prazer para mim, o Nordeste passou a estar mais presente em meu trabalho”.

Os heróis
“Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro inicialmente, Dominguinhos depois foram vistos por mim como heróis. Em 2002, fiz um disco inteiramente voltado para a obra de Seu Luiz, que resultou num dos meus trabalhos mais bem avaliados pela crítica. Em 2005, tendo Dominguinhos ao meu lado, revisitei a obra dele no CD Baião de dois, que me trouxe muita alegria”.

Novíssima geração
“No meu álbum mais recente, o Balaio de amor, com o Cezinha ao meu lado e me ajudando na pesquisa, descobri em Pernambuco novos forrozeiros. São compositores da novíssima geração, já conhecidos na região, mas que cuidei de apresentar ao país. Sem desrespeitar a tradição, eles propõem linguagem contemporânea para o forró, que continua sendo um ritmo autenticamente nordestino. No meu próximo disco, vou gravar mais três ou quatro nomes, entre os novos criadores do forró”.

Referência cultural
“O forró faz parte da minha vida desde sempre. Desde a tenra infância, ouvia muito em casa Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Marinês, que tornou-se referência cultural para mim. No começo da adolescência, descobri Beatles e o pessoal da MPB. No período do São João, porém, o gosto pelo forró reacendia, pois era parte importante do cardápio da festa”.

Forró eletrônico
“Todo mundo tem livre arbítrio para escolher o que ouvir. Não falta quem goste das bandas do chamado forró eletrônico, que não são da minha preferência. O pior é que alguns desses grupos têm partido para músicas apelativas, com letras de duplo sentido. Não gosto, mas respeito”.

Dia do forró
“A ideia de comemorar o Dia Nacional do Forró, na data de nascimento de Seu Luiz Gonzaga, é brilhante. Ninguém merece mais esta homenagem do que ele. Foi quem fez o Brasil voltar as vistas e os ouvidos para os ritmos nordestinos ainda na década de 1940, quando migrou para o Rio de Janeiro. O forró não era um ritmo, como baião, xote, xaxado e coco. Seu Luiz foi quem o institucionalizou”.

Fonte: Correio Braziliense
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Fotografias por Helena de Castro









Créditos: Helena de Castro

Show 'Balaio de Elba' no Teatro Rival Petrobras

Elba inicia as comemorações dos 30 anos de carreira em álbum que reúne baiões e xotes
de compositores pós-Luiz Gonzaga


Ao lançar em 1979, seu primeiro álbum “Ave de Prata”, Elba Ramalho ingressava pela porta da frente no cenário cultural brasileiro. O Brasil estava diante de uma nova artista, de verve expressionista, extremamente original e de performances incendiárias. Elba firmou-se e nunca mais saiu do seleto time principal da MPB.

Passadas três décadas, Elba alcançou muito mais que os horizontes do sertão. A intérprete de sucesso, com seis discos de platina e 13 de ouro acumulados, celebra sua trajetória com o disco “Balaio de Amor” (Biscoito Fino), uma ode ao Nordeste de compositores pós-Luiz Gonzaga, no palco do Rival Petrobras em duas únicas apresentações.

Elba define o CD como uma homenagem ao baião e ao xote que, assim como o samba, têm a essência na brasilidade. “São canções que sobreviverão porque fazem parte da tradição de um povo”, afirma a cantora. Além disso, acrescenta, são músicas românticas, relativamente simples, mas de uma poesia muita rica. . “É um deleite para os ouvintes mais atentos. Um disco de amor, cheio de recados para quem gosta de dançar e que mostra uma alegria essencialmente nordestina. Tem muita sensibilidade.”, define.

Em “Balaio de Amor”, Elba retoma uma das principais características de sua carreira: a aposta em talentosos compositores, principalmente da Paraíba e de Pernambuco. Foi a intérprete quem primeiro gravou uma canção de Lenine e ajudou a projetar com registros antológicos Geraldo Azevedo, Belchior, Chico César, Lula Queiroga e outros. Produzido pelo compositor e músico Cezinha, o CD reúne uma boa safra de canções recentes, com belas melodias e letras poéticas, compostas por artistas que dificilmente rompem a barreira geográfica nordestina.

A cantora privilegiou selecionar canções que soassem praticamente inéditas nas demais regiões do país. “Algumas destas músicas são conhecidas pelos nordestinos e o povo acompanha as letras. Sempre fiz bem este trânsito do Nordeste com os outros cantos brasileiros, em meio a essa geografia imensa”.

A base sonora clássica, comandada por Cezinha, é reforçada pela banda formada basicamente por guitarra/violão (Marcos Arcanjo), bateria (Tostão Queiroga), percussão (Anjo Caldas), pad (Zé Américo) e contrabaixo/baixo acústico (Fofão).

No balaio de Elba, os forrós ganham as nuances da intérprete singular que nunca abandonou a veia de atriz, a mesma que no passado abriu o caminho para a cantora. É no canto que Elba transparece a experiência de quem já percorreu os mais diversos palcos e amadureceu a voz.

SERVIÇO:
Teatro Rival Petrobras - Rio de Janeiro - RJ
Dia: 10 e 11/12 – Quinta e Sexta-feira – às 19h30
Rua: Álvaro Alvim, 33/37 – Cinelândia

Preço:
Setor A
R$ 60,00(Inteira)
R$ 30,00(Meia)

Setor B
R$ 50,00(Inteira)
R$ 40,00(Os 100 primeiros pagantes)
R$ 25,00 (Meia)

Classificação: 16 anos

Fonte: Rival Petrobras

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Já é Natal em Tubarão: A cantora Elba Ramalho esbanjou energia no palco montado em frente à sede da Unisul.

As luzes dos canhões utilizados no Uniluz, em Tubarão, sempre atraíram a família Medeiros, de Gravatal. Pois neste ano, eles resolveram vir conferir o show de Natal de pertinho. Encantado com as apresentações artísticas, o pequeno João Vitor, de 6 anos, vibrou quando viu o Papai Noel. Ele já escreveu uma cartinha para o Bom Velhinho, e sabe na ponta da língua o que quer ganhar de presente: “Eu pedi uma bicicleta”, conta João Vitor, sob os olhos atentos dos pais, Graziela das Neves Inácio e Vanderson de Medeiros Vieira.

O pedido de João é tão clássico quanto músicas como Noite Feliz e Jingle Bells. Estas e outras canções natalinas não ficaram fora do repertório do Uniluz. Apresentaram-se a banda marcial do Colégio Dehon, a Orquestra de Câmara da Unisul, a Companhia de Dança Unisul, Coral Universitário, Bandativa, Coral Encantos, de Florianópolis, representantes de instituições religiosas, além de um grande coro formado por integrantes de outros corais da região de Tubarão. A estrela da noite foi a cantora Elba Ramalho.

A paraibana esbanjou energia no palco. Elba cantou alguns de seus maiores sucessos e ainda interpretou os clássicos de Natal. A cantora demonstrou sintonia com o tema deste ano: “Por que caminhar sozinho se podemos seguir juntos?”. “Para mim, o Natal é muito importante. O fundamento desta data é o amor, a fé, a caridade. Estes são ingredientes que estão em falta no cardápio diário das pessoas. É o período para pensarmos no que estamos fazendo de errado e nos corrigirmos”, afirma Elba.

A cantora exaltou o cunho solidário do Uniluz. “É gratificante participar de um evento que o ingresso é a doação de alimentos que serão destinados a entidades beneficentes. Natal é isso, é amar o próximo”, observa Elba.

Fonte: Jornal Notisul
Gariel Lima para o Leoa do Nordeste

Elba Ramalho coloca Uniluz para dançar

Elba Ramalho levantou a plateia ontem à noite, em Tubarão, e exaltou o cunho solidário do Uniluz.

Foi com o chamado do Bom Velhinho e aos gritos do público que a cantora Elba Ramalho subiu ao palco do Uniluz para festejar o Natal na Cidade Azul. Saudou Papai Noel e o grande público com “Gostoso Demais”, de Gonzaguinha. A paraibana interpretou outras músicas de seu repertório e também natalinas para contagiar o público com ritmos nordestinos e fazer do evento mais que mera celebração natalina. Ela transformou o pátio frontal da Unisul em um salão de festa, com uma viagem pelos ritmos brasileiros. No fim da apresentação, a cantora interpretou canções natalinas, com a presença dos coralistas.
Apesar de marcada como intérprete de temas do sertão e do agreste, Elba não se intimidou em festejar o Natal. “Eventos natalinos são lugar comum na minha carreira. Participei de autos de Natal, em Natal (no Rio Grande do Norte). Gosto muito destas celebrações. São festas em que são exaltados valores como fraternidade, solidariedade e amor”, disse a cantora, em entrevista antes de subir ao palco.
Com o que faz de melhor, tentou relembrar o verdadeiro intuito do Natal. “Acredito que hoje esteja desfigurado pelo consumo. A música tem a função de levar a paz e aproximar a cultura dos povos. Por várias vezes, artistas se juntaram para sensibilizar o mundo. Gostaria que isso ocorresse não apenas nesta época”. E conta como é na sua casa: “Gosto de coisas simples. Para mim Natal é família, prefiro que todos estejam juntos em volta da mesa. Também vou à Missa do Galo, não perco. Chega meia-noite e vou para igreja. Para mim, é um momento destinado a Jesus, de estar próximo de Deus”.
Para a assistente de cultura da Unisul, Valdézia Pereira, o show atendeu às expectativas. “Foi um grande evento, que cumpriu com a missão de abrir a programação natalina de Tubarão”. Ela promete novas surpresas no ano que vem. “Já estamos pensando em alguns nomes para 2010. Um deles é o de Simone, que tem muito a ver com o Natal. Outro, para não ficarmos só com mulheres, é o Paulo Ricardo. A Alcione também é bem compatível”, antecipa.

TUBARÃO - A chuva que apareceu nos primeiros instantes de ontem não intimidou o tubaronense. Como nas outras edições do evento, o pátio da Unisul foi tomado pelo público, que dançou e se emocionou com diversas expressões artísticas, de canções sacras, clássicas a populares e vibrantes.
Ao som de tambores, a banda do Colégio Dehon foi a primeira a subir ao palco e apresentou uma nova roupagem para "Noite Feliz", cheia de animação. Na sequência, tudo ficou escuro e as luzes apontaram para as janelas do prédio sede. As crianças do colégio cantaram o Natal.
Aposta da universidade para difundir a música clássica, a Orquestra de Câmara da Unisul subiu ao palco para interpretar três canções, entre elas "Ave Maria", que teve a voz de uma cantora lírica. No palco pela primeira vez na noite, o Coral Universitário cantou "Brilha, Jesus" e abriu para a Companhia de Dança da Unisul de Tubarão.
As manifestações religiosas também tiveram espaço no espetáculo natalino. Com o som da banda Filhos de Gravatal ao fundo, o palco foi aberto para a celebração que uniu diversas manifestações religiosas. Presente em todas as edições do Uniluz, a Bandativa também se apresentou e deu o tom para nova apresentação do Coral Universitário, dessa com músicas mais embaladas, transformando a celebração natalina em festa. Juntaram-se a ele os corais Energia da Terra, de Capivari de Baixo, Encantos, de Florianópolis, e Coral Municipal de Tubarão. Mais de 200 pessoas levaram ao público canções que exaltam os valores natalinos.
Depois foi a vez de Papai Noel, que levou a mensagem de Natal e trouxe o presente de fim de ano para os habitantes da Amurel. Elba Ramalho subiu ao palco e transformou o pátio da Unisul num grande salão de festa, embalado pelos seus maiores sucessos de 30 anos de carreira.

Fonte: Jornal O Popular
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Um dia inteiro em homenagem ao Forró

Projeto comemora o Dia Nacional do Forró (13 de dezembro) com show de Elba Ramalho e mais oito atrações. A entrada é gratuita

O Projeto FORRÓ BODÓ traz uma série de apresentações em comemoração ao Dia Nacional do Forró, data festiva criada em homenagem ao rei do baião Luiz Gonzaga, dia 13 de dezembro, a partir das 9h. Brasília será palco de um grande evento que homenageará Luiz Gonzaga, com apresentação de trios de forró e grande show com Elba Ramalho, na Esplanada dos Ministérios. A estrutura conta ainda com praça de alimentação com comidas típicas nordestinas.

A festa terá a participação dos característicos trios de forró, casais de dançarinos, a sonoridade candanga da banda Pé de Cerrado, Marcos Farias, Caranova e muito mais em um dia inteiro de forró. E para finalizar, Elba Ramalho, completando 30 anos de carreira e celebrando mais de 6 milhões de discos vendidos.

13 de dezembro – Dia Nacional do Forró

A data é em homenagem a Luiz Gonzaga, por isso foi escolhido o dia de seu nascimento. Foi instituído pela Lei nº 11.176, sancionada pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em 6 de setembro de 2005.

Forró

É uma festa popular brasileira, de origem nordestina e é a dança praticada nessas festas, conhecida também por arrasta-pé, bate-chinela, fobó, forrobodó.

No forró, vários ritmos musicais do Nordeste, como baião, a quadrilha, o xaxado, tem influências holandesas. O xote, outro ritmo muito conhecido, veio de Portugal. Todos eles são tocados, tradicionalmente, por trios, compostos de um sanfoneiro, um zabumbeiro e um tocador de triângulo.

Segundo o folclorista Câmara Cascudo, o termo forró deriva do termo africano forrobodó", de origem bantu (tronco linguístico africano, que influenciou o idioma brasileiro, sendo base cultural de identidade no Brasil escravista), que significa: arrasta-pé, farra, confusão, desordem.

Palco principal

Elba Ramalho

Cantora fará apresentação com panorama de sua carreira. Com os pés fincados no Nordeste e a mente “ligada” no mundo, a cantora Elba Ramalho apresenta-se em Brasília, na Esplanada dos Ministérios, no próximo dia 13 de dezembro. O show promete traçar um panorama dos 30 anos de carreira de Elba, incluindo músicas de seu último álbum “Balaio de Amor”, ganhador do Grammy de Melhor Álbum de Música de Raízes Brasileiras – Regional.

A cantora estará acompanhada de cinco músicos - Marcos Arcanjo (guitarra, viola e violão), Anjo (percussão), Cezar Silveira (acordeão), Fofão (baixo) e Tostão (Bateria) – em apresentações marcadas pela variedade rítmica, que não abrem mão dos hits que levaram o nome de Elba Ramalho ao primeiro time das intérpretes brasileiras, com domínio completo do palco e do repertório cênico.

Não faltarão momentos memoráveis da carreira da cantora, como as canções “Gostoso Demais” (Dominguinhos e Nando Cordel), “Chão de giz” (Zé Ramalho) e “Ciranda da Rosa Vermelha” (Alceu Valença), entre outras. Canções populares, como os frevos “Banho de cheiro” (Carlos Fernando) e “Frevo mulher” (Zé Ramalho) também integram o roteiro do show em um desfecho que comprova a performance irretocável da artista no palco.

Fonte: Jornal Asa Norte
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

Elba Ramalho faz show em Tubarão na próxima terça

A atração nacional do Uniluz 2009, espetáculo que abre o Natal de Tubarão na próxima terça-feira, dia 8 de dezembro, às 20 horas, será a cantora Elba Ramalho. Na entrevista abaixo a artista fala sobre sua vida pessoal, profissional e a expectativa para este show. Confira:

Unisul - É a primeira vez que você vem a Região Sul? Qual sua expectativa?
Elba Ramalho - Em Tubarão, talvez seja a primeira vez sim. Em Florianópolis, acabo me apresentando com mais frequência.
Em todos os shows, a expectativa sempre é muito boa. Principalmente ao cantar para um público jovem e tão formador de opinião. Mesmo em tempos globalizados, é curioso que depois dos shows eu escuto muitos jovens dizendo que não sabiam que o show era tão bom. As platéias acabam sempre se renovando.

Unisul - O Uniluz, reúne quase 15 mil pessoas da região em frente à fachada da Universidade, um prédio que deu origem à Universidade e que nesse ano completou 45 anos. Além de um evento natalino, tem caráter solidário, pois arrecada donativos para famílias carentes. Como você se sente participando de um evento como este?
Elba Ramalho - É muito gratificante. Participo efetivamente de uma série de eventos beneficentes e tenho minha própria ONG, que se chama “Associação Beneficente Bate Coração”.

Unisul - Você estudou Sociologia e Economia pela Federal da Paraíba, correto? Você acha que tríade Universidade, Arte e Conhecimento se completam?
Elba Ramalho - Certamente conhecimento, universidade e artes se completam. O conhecimento é o fundamento. A universidade é o local onde se fomenta a cultura. Estudei Sociologia e Economia, mas não cheguei a me formar.

Unisul - A Unisul é uma universidade que congrega 50 mil alunos no sul de Santa Catarina. Como as universidades devem preparar o “novo jovem”, tanto para o mercado de trabalho, quanto para a vida?
Elba Ramalho - Não creio que eu tenha condições de responder esta pergunta sob o ponto de vista acadêmico. Posso dizer que, como mãe de um jovem de 22 anos, espero que os melhores valores sejam transmitidos e preservados, tanto dentro de casa, como fora dela. Não tenho dúvidas que uma faculdade tem um poder transformador imenso. O mercado de trabalho está inserido dentro de um contexto social. Antes de profissionais, somos cidadãos.

Unisul - Você tem uma energia que muitos jovens de 20 anos não têm. A que você atribui essa energia? Algum segredo?
Elba Ramalho - Acho ótimo que as pessoas achem isto, mas não posso me comparar com um jovem de 20 anos. Não existe segredo não. Minha alimentação é muito saudável, pratico meditação e ioga. Acho que tenho um espírito jovem.

Unisul - Você demonstra que adora o que faz. Seus pais são músicos. Eles tiveram alguma influência na sua escolha profissional? Como você vê muitos jovens escolhendo a profissão por influencia dos pais?
Elba Ramalho - Meu pai era músico, minha mãe não. E o incentivo foi de minha mãe, não do meu pai. Os pais têm um papel fundamental na educação dos filhos, mas cada vez mais os filhos têm autonomia e personalidade para seguirem seus próprios caminhos.

Unisul - Você tem dois filhos, como lida com a orientação profissional deles? Algum já demonstra alguma vocação artística?
Elba Ramalho - Tenho quatro filhos! Na verdade, Luã que tem 22 anos e estuda música na Berklee Scholl, em Boston. E ainda 3 meninas que adotei em épocas diferentes. Maria Clara, de sete anos. Maria Paula de seis anos e Maria Esperança, de 02 aninhos. Luã já fez a escolha dele e quer ser músico.

Unisul - A Elba Ramalho tem um estilo próprio de musica e de se vestir. Essa identidade que você criou é importante para o sucesso pessoal e profissional? Digo, as pessoas tem que buscar sua identidade em todos os aspectos, mesmo que seja diferente dos outros que estão no mercado?
Elba Ramalho - Acho muito importante que cada um busque a sua identidade. Hoje em dia, talvez eu ande na contra-mão do mercado. Tenho 30 anos de carreira e conheço bem todos os aspectos desse mercado. Curiosamente, meus dois últimos discos, que são independentes, foram um grande sucesso de crítica, inclusive me dando o Grammy Latino, por dois anos seguidos. No início da carreira, certamente eu era ousada e inovadora, por conta de uma estética diferente.

Unisul - O que as pessoas podem esperar do seu show em Tubarão? Quais os sucessos?
Elba Ramalho - Estamos levando uma formação acústica, mas mesmo com poucos músicos em cena, a festa está garantida.
Os sucessos são muitos: Gostoso Demais, Saudade d`ocê, Vida de Viajante, Bate Coração, Ciranda da Rosa Vermelha, De volta pro Aconchego, Chão de Giz, Banho de Cheiro, Frevo Mulher e muito mais

Fonte: Site Bela Santa Catarina
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

Elba Ramalho apoia ONG uberlandense

Cantora fez anúncio durante um show reservado, realizado nesta quinta

A cantora Elba Ramalho, vencedora de dois prêmios Gramy Latino inclusive o de 2009, anunciou ontem (3) durante um show reservado, que vai ser parceira da ONG Empresa Guardiã da Criança e convoca o uberlandense a conhecer o trabalho da instituição.

Elba quando não está nos palcos, converge toda energia, carinho e o coração em ações sociais. Na cidade do Rio de Janeiro é Presidente de honra e madrinha da Aminca – Associação dos Amigos da Infância com Câncer, visionária e solidária fundou a Associação Bate Coração, uma instituição com a qual pretende trabalhar ainda mais para ajudar na melhoria das condições de tratamento e cura do câncer infantil e para o atendimento de crianças e adolescentes em situação de risco.

A Bate Coração também vai disponibilizar em seu site informações relacionadas ao processo de adoção.

A cantora afirma que tudo que faz em favor das crianças ainda é pouco. E foi isso que demonstrou aqui em Uberlândia na noite do show. Ao conhecer o trabalho da ONG Empresa Guardiã da Criança não teve dúvida, se apresentou para fazer parte, e logo ofereceu as roupas de show e pessoais, assim como objetos diversos para a realização de um bazar em favor da ONG uberlandense.

Sobre a ONG Empresa Guardiã da Criança

Jonh, quando pegou um lápis aos 5 anos não sabia o que era nem para quê servia, hoje ele começou a escrever e a desenhar.
Outro aluno (criança de 10 anos) não foi a aula de artesanato, no programa “ação social”- atividade em contra-turno escolar, porque estava com fortes dores de cabeça. Mas, na hora da refeição o pai o levou para se alimentar (a dor de cabeça era de fome).

Os nomes são fictícios, mas as histórias são verdadeiras.

A Empresa Guardiã da Criança através do Centro Educacional entende que essa realidade pode ser transformada e já tem estas histórias modificadas.

Crianças e famílias que são mais que transformadas, elas passam a ser exemplos de superação destes e de tantos outros problemas sociais.

A ONG, tem como presidente o empresário Ricardo Magnino, e tem várias frentes de trabalho entre elas educação infantil, capacitação com ensino profissionalizante, em parceria com a ONG Terra Fértil e ação social e meio ambiente.

Na semana passada, Uberlândia por meio da Empresa Guardiã da Criança recebeu a visita de Stacey Campbell presidente da ONG canadense BE A HERO que anunciou a instalação da sede da ONG no Brasil por Uberlândia.

A ONG empresa Guardiã da Criança atende na rua Barão de Penedo 948, bairro Pampulha em Uberlândia.

Fonte: Correio de Uberlândia

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Dia Mundial de luta contra a AIDS

1 de Dezembro Dia Mundial de luta contra a AIDS

Uma luta que Elba sempre participou ativamente
Prevenção sempre!

Fonte: Leoa do Nordeste

sábado, 28 de novembro de 2009

Boa ação: Atrizes desfilam e Elba Ramalho em evento em prol do Amicca

Juliana Alves e mais estiveram em casa de eventos no Rio nesta sexta-feira, 28

Juliana Alves, Bárbara Evans e Elba Ramalho participaram de evento em prol do Amigos da Infância com Câncer (Amicca), na casa Julieta de Serpa, no Rio, nesta sexta-feira, 28. Elba cantou para os convidados que assistiram ao desfile de atrizes e modelos.

Fonte: EGO

domingo, 22 de novembro de 2009

Novidades sobre o novo DVD

Elba visita o prefeito - Elba Ramalho deseja gravar no Marco Zero, no Recife, o DVD comemorativo aos seus 30 anos de carreira. Em visita ao prefeito João da Costa, dia 19, a artista paraibana disse que tem uma relação de amor com a cidade e com os artistas locais. João da Costa ficou satisfeito com a ideia e prometeu apoiar.

Fonte: Diario de Pernambuco

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Elba Ramalho em look colorido no Rio de Janeiro

Elba Ramalho foi às compras no Rio de Janeiro, e adotou um look despojado e super alegre, propício para o verão. A junção de calça e blusa com modelagens mais largas poderia não ficar legal, mas deu certo e deixou a cantora com um ar moderninho, complementado pela rasteirinha amarela.


Fonte: Moda dos Famosos

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Elba Ramalho desfila sua cabeleira em Ipanema, no Rio

Cantora vai a uma loja na Zona Sul da cidade

Nesta segunda-feira, 16, Elba Ramalho desfilou sua cabeleira em Ipanema, Zona Sul do Rio. A cantora foi a uma loja de roupas femininas do bairro, mas, pelo visto, não gostou de nada, já que saiu de mãos abanando. Veja as fotos!

Elba Ramalho confere roupas em uma loja e sai de mãos vazias

Elba exibiu sua famosa cabeleira em Ipanema

Fonte: EGO

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Elba Ramalho e suas três Marias

Maria Esperança, Maria Clara, Elba, que também tem Maria no nome, e Maria Paula, na casa da família no Rio.

A cantora - que não descarta adotar mais uma menina - e Maria Paula

''Amo minhas três filhas como amo o Luã, que nasceu da minha barriga, sem distinção.'' É dessa forma, rodeada por suas três Marias, que Elba Ramalho, 58 anos, define a relação com os filhos depois de ver a vida se transformar, de um ano para cá, com a chegada de mais uma menina, Maria Paula, sua terceira filha adotiva, 6 anos. A cantora já era mãe de Maria Clara, 7, e Maria Esperança, 3.

Os dias têm sido mais alegres na confortável casa da família em um condomínio na Joatinga, zona oeste do Rio de Janeiro, apesar de terem ocorrido alguns conflitos iniciais entre as duas mais velhas. ''Maria Paula teve de se impor diante da mais velha, que estava aqui desde pequena. As duas se pegam às vezes e eu tenho de estar no meio com o chicote do amor, educando, ensinando... Mas elas brincam muito também.''

Maria Paula entrou para a vida da família em dezembro. ''Ela é muito doce e tem consciência de sua história'', diz Elba, que já conhecia a irmã da menina, Maria Eduarda. ''Sou madrinha da Duda, que já estava registrada por uma amiga minha. Foi chato porque elas tiveram de se separar. Eu não podia ficar com as duas, tinha acabado de me separar'', explica Elba, que terminou, no fim de 2008, um casamento de 12 anos com o empresário Gaetano Lops, 33. A cantora faz questão de manter a relação das irmãs biológicas, seja no Rio ou em Minas, onde mora Duda.

Orgulho e saudades do filho Luã

O sorriso de Elba só desaparece do rosto ao falar sobre o filho, Luã, 22, de seu casamento com Maurício Mattar, 45. Desde maio, ele mora em Boston, nos Estados Unidos, para estudar música na Berklee College of Music. ''Chorei à beça antes de ele ir'', diz. Mesmo sentindo a distância, ela conta que fez questão de apoiá-lo. ''Ele toca e canta muito bem. Ainda bem que tem a oportunidade de estudar em uma universidade que posso pagar. Quando cheguei ao Rio, painho não podia me ajudar. E o Luã já tinha uma boa base, é determinado.''

Fonte: Revista Contigo

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Prêmio QUEM: Você escolhe os melhores do ano

Vote no seu favorito em televisão, cinema, teatro, moda, beleza, literatura, gastronomia e música

Quem mais se destacou no Brasil em 2009? Você vai poder dar sua opinião e ajudar a eleger os melhores do ano em diversas categorias no 3° Prêmio QUEM Acontece. A partir de agora, semanalmente você vai conhecer as indicações de nosso júri - composto por 21 especialistas - para cada uma das áreas abrangidas pelo prêmio: televisão, cinema, teatro, moda e beleza, literatura, gastronomia e música. Aí, é só votar.

Os jurados para a área de música foram o editor da revista "Rolling Stone Brasil", Pablo Miyazawa, o jornalista e pesquisador Rodrigo Faour, e Carlos Eduardo Miranda, crítico e produtor musical.

Acompanhe, nas próximas semanas, os indicados nas demais áreas e continue participando. Vamos votar na Elba e ajudar ela a levar mais este prêmio.

VOTE NA MELHOR CANTORA

Fonte: Revista QUEM

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Elba Ramalho no Uniluz em Tubarão

A Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) definiu que o Uniluz será realizado dia 8 de dezembro. Neste ano o evento volta a ser realizado no pátio localizado em frente ao prédio principal, na Avenida José Acácio Moreira. O Uniluz terá apresentação de vários corais e artistas que irão interpretar canções com temas de Natal. A grande atração é a cantora Elba Ramalho.

Fonte: Clicrbs
Gabriel Lima para o Leoa do Nosdeste

Elba Ramalho agita o Núcleo Bandeirante

Cerca de 2.500 pessoas compareceram ao Núcleo Bandeirante no último sábado (7) para prestigiar o projeto “Cultura nas Cidades”. Com a estrutura montada na Terceira Avenida, ao lado do colégio CNB, o projeto levou até a cidade a cantora Elba Ramalho.

O evento começou às 18h com a banda Santa Cecília. Logo após foi a vez do Rock And Roll dos meninos da Banda Resultantes. “Nós apenas gostaríamos de agradecer a oportunidade que recebemos neste projeto. O Cultura nas Cidades está de parabéns”, afirma Victor Abreu, o jovem vocalista da banda.

Com mais um pouco de Rock, a banda Cálida Essência agitou o público. A banda passou por várias transformações até adquirir maturidade e uma linguagem musical própria. “É ótimo poder estar aqui e divulgar o nosso trabalho. Só temos a agradecer”, explica o vocalista Sérgio Fonseca.

Abrindo o show principal, Glenio Rossi levou muita música sertaneja para esquentar a moçada. “É muito bom botar essa galera para dançar. Estou empolgado com a idéia do projeto e já quero avisar a todos que preparei uma música para os 50 anos de Brasília”, diz o cantor.

Além das atrações musicais, grupos locais de dança se apresentavam entre uma banda e outra. Mas foi uma dança diferente que roubou a atenção do público. As meninas do Grupo de Dança Cigana fizeram duas belíssimas apresentações. De acordo com a representante do grupo Ana Paula Guerça, a associação existe há um ano e meio. Muito mais do que simplesmente dançar, o grupo ensina dança cigana para pessoas de todas as idades e necessidades especiais, pois a associação faz um trabalho sério de inclusão social com crianças com Síndrome de Down, cegas e até mesmo surdas, que segundo Ana, podem dançar lindamente. “Todo espaço para divulgação é muito importante para nós. Pretendemos ajudar cada vez mais pessoas. Já nos apresentamos na Sala Martins Pena do Teatro Nacional e conseguimos este ano ser contemplados pelo Fundo de Apoio a Cultura (FAC). Então o governo vem nos apoiando muito”, explicou Ana Paula. E completou “a dança cigana sempre tem tons altos e baixos na mesma canção porque representa a vida, e na nossa vida sempre temos altos e baixos. Mais do que aprender a dançar, na dança cigana você aprende a sentir a música”.

O administrador do Núcleo Bandeirante, Geovani Ribeiro também se mostrou muito satisfeito com a ida do projeto até a cidade. Segundo ele, é muito importante manter um circuito cultural na cidade e poder dar oportunidade aos artistas locais. “Dificilmente temos tanto apoio à cultura como estamos tendo agora. Isso é importante para valorizar a nossa Cidade”, conta. Ele explica que na cidade há muitos nordestinos que estavam felizes em poder assistir um show da cantora Elba Ramalho.

E por falar em Elba Ramalho, a cantora subiu ao palco às 23h30 e apresentou um show inesquecível. “Este projeto é muito valioso. É maravilhosa esta idéia de poder popularizar a Cultura e incentivar quem ainda não se firmou no mercado. São destes que saem os artistas consagrados. Para mim, é uma honra estar aqui e saber que fui escolhida para animar esta acidade”, finaliza a cantora.

Fonte: Secretaria de Cultura do DF
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Elba e Zezinho do Forró levam 30 mil ao MS Canta Brasil

Nem a ameaça de chuva impediu que 30 mil pessoas curtissem o embalo da música nordestina, ontem (8), na última edição do ano do projeto MS Canta Brasil, da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS). O público “armou-se” com guarda-chuvas e até guarda-sóis, e não perdeu os shows de Elba Ramalho e Zezinho do Forró, artistas que declararam que sentem-se realizados com a carreira musical e com a receptividade da platéia sul-mato-grossense, que dançou a noite inteira ritmos como baião, maracatu, xote, frevo, pastoril, caboclinhos e forrós.

“As pessoas já se identificam com a música nordestina, que já passou da época de ser considerada regional e tornou-se música brasileira”, comemorou Elba, que disse estar muito feliz com o reconhecimento do seu trabalho após ter ganho por dois anos seguidos (2008 e 2009), o prêmio Grammy Latino. “Tenho uma história de luta e essa é minha profissão de fé. É muito positivo que uma iniciativa como o MS Canta Brasil leve a cultura para o povo, afinal, tudo é expressão cultural”, destacou.

Para o compositor Zezinho do Forró o MS Canta Brasil é um projeto que já deu certo e que está sendo realizado de uma forma muito democrática. “O leque abriu. Músicos de diversos estilos estão sendo chamados para participarem do projeto. Shows para grandes públicos como esse não aparecem sempre para a gente fazer. Estou muito satisfeito ter me apresentado junto com a Elba Ramalho, uma artista que sempre admirei. Se o governo do Estado nos oferece estrutura, o nosso show acontece, pois Mato Grosso do Sul é um celeiro de músicos e compositores criativos”, destacou.

Para o presidente da FCMS, Américo Calheiros, este ano o projeto foi muito produtivo. “Houve uma ampla participação do público e de artistas de renome que movimentam a cena artística e cultural do Estado”, lembrou. Ele anuncia ainda que a iniciativa continua em 2010.

Fonte: MS Notícias

Festa dos 30 anos de carreira de Elba é coroada por mais um Grammy Latino

Na tarde de ontem (05/11) foram divulgados os vencedores das categorias brasileiras da Décima Edição do Grammy Latino. Os nomes dos vencedores chegaram ao Brasil, de acordo com Lorena Calábria, apresentadora da Rede Bandeirantes, por volta das 21h. E no ano em que nossa leoa do nordeste comemora 30 anos de uma estrada brilhante na música, nada melhor do que mais um gramofone para coroar essa festa. É isso aí: Elba Ramalho e seu Balaio de Amor foram os vencedores na categoria Melhor Álbum de Raízes Brasileiras Tropical. Ao se consagrar como o melhor cd do ano nesta categoria do mais importante prêmio da música latina, Balaio de Amor acaba indo além do que Elba pretendia com esse trabalho. A cantora já declarou diversas vezes que gravou esse cd como uma declaração de amor à nação nordestina; foi a forma que ela encontrou de apresentar as demais regiões do país a excepcional qualidade da poesia desses novos cantadores do sertão, compositores de uma geração pós Gonzaga, pós Jackson do Pandeiro. É Elba, agora não só o Brasil conhece esses poetas fantásticos; o nome deles está marcado definitivamente na história da música latina. Parabéns a Elba, ao seu competentíssimo companheiro, produtor e sanfoneiro Cezinha que tanto a auxiliou neste trabalho, ao Alexandre Valentim e a toda equipe da Acauã Produtora que torna possível os sonhos de nossa estrela se tornarem realidade e parabéns a todos os poetas que forneceram verdadeiros diamantes para serem lapidados pela voz dessa cantora magnífica. Muito obrigado a:

Flávio Leandro
Petrúcio Amorim

Rogério Rangel
Dominguinhos
Climério Ferreira

Antonio Barros
Cecéu
Accioly Neto

Xico Bizerra
Nando Cordel
Cezinha

Fábio Simões
Eliezer Setton
Fausto Nilo
Terezinha do Acordeon

Júnior Vieira
Maciel Melo
Anchieta Dali
Jorge de Altinho
Elba Ramalho


por nos mostrarem que é possível fazer música romântica, popular, raíz, simples e de extrrema qualidade. Que Elba e seu Balaio continuem espalhando seu Amor por todo o mundo! Que venha o tricampeonato num trabalho maravilhoso que, com certeza, já deve estar sendo concebido por essa leoa tão forte e tão doce da MPB.

Créditos: Texto Gabriel Lima

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Bicampeã!

Elba Ramalho ganhou o Grammy Latino, o maior prêmio internacional da música, pelo segundo ano consecutivo!

A cantora ganhou a estatueta na categoria “Melhor Álbum de Música de Raízes Brasileiras - Regional” com o disco Balaio de Amor.

Em 2008, Elba recebeu o Grammy Latino com o disco “Qual o assunto que mais lhe interessa”. A cantora é veterana em indicações: o disco Elba & Dominguinhos, lançado em 2005, ficou entre os cinco finalistas da premiação.

10ª edição do Grammy Latino aconteceu em Las Vegas no dia 05 de novembro.

Fonte: Site Oficial

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

O Balaio de Elba

Nessa semana assisti ao novo show de Elba Ramalho, divulgação de seu novo CD, Balaio do Amor, com repertório de xotes e baiões e que marca seus 30 anos de carreira.

O show foi ótimo, com Elba cantando músicas do disco, praticamente de canções inéditas no sul, mas algumas conhecidas no nordeste, mesclada a grandes sucessos de carreira- e tudo era tão bom, que mesmo as desconhecidas pareciam clássicos de seu repertório.

Elba também abriu espaço para pedidos do público, e aí quando atendeu cantando Voa Voa Passarinho, fez graça dizendo que era a primeira música de seu primeiro disco. E como muitos dos pedidos eram de músicas de Geraldo Azevedo, brincou dizendo que o show tinha virado outro.

Cantou também no repertório do show Chão de Giz, de Zé Ramalho - o que, fora ele próprio - com méritos também para Cássia Eller - ninguém canta suas músicas tão bem como Elba. Versão matadoura.

Elba Ramalho encantou a platéia e fiquei lembrando quando, na década de 90, a Folha de S. Paulo fez um especial em seu caderno Mais sobre as cantoras mais importantes da música brasileira atuando naquele momento - e foram mais de 20 - e deixou Elba de fora.

Ela ficou ressentida e disse isso publicamente, que ela não existia para a Folha, que a Folha ignorava o seu canto.

Na época concordei com Elba Ramalho e fiz coro com sua revolta.

Assistindo ao seu estupendo show, como foi também o do ano passado, Qual o assunto que mais lhe interessa?, só pude confirmar isso mais uma vez.

Touca da Folha e um erro histórico.

Fonte: Blog Minha Insensatez de Adilson Marcelino
Gabriel Lima pra o Leoa do Nordeste

Elba contagia o Guaíra e é aplaudida por Ariano Suassuna

Na última quarta-feira, dia 28 de outubro, resolvi cometer uma loucura daquela que só os fãs são capazes de fazer por seus ídolos: saí da cidade onde moro - Jundiaí-SP que fica a 60 km de São Paulo - e peguei um ônibus com destino a Curitiba no Paraná para assistir ao show de Elba e, de quebra, conhecer o tão famoso teatro Guaíra. Foi uma viagem longa e cansativa, com muitos trechos de congestionamento... Mas por Elba vale a pena! Enfim, por volta das 16h cheguei a capital do Paraná e no começo da noite fui para o Guaíra. O show fazia parte do projeto Circuito Cultural Banco do Brasil - Vozes de Mestre e os ingressos já estavam esgotados (mas o meu eu já havia garantido, ufa!), tanto que assim que cheguei ao teatro vieram dois cambistas me oferecem ingressos! E a procura estava grande; só no tempinho que fiquei perto da bilheteria vi que esses ingressos dos cambistas estavam disputadíssimos. Perto das 20h15min um grupo chamado Meninas de Sinhá e composto por mais ou menos 26 senhoras de uma comunidade carente de Belo Horizonte subiu ao palco para fazer o show de abertura. As "meninas" contagiaram o Guaíra com suas vozes fortes, agudas, tocantes e cruas e deram uma verdadeira lição de que a música e a alegria são os melhores remédios para enfrentar a vida, muitas vezes mais difícil do que se gostaria. Após o show das Meninas de Sinhá, que durou mais ou menos uma hora, a equipe de Elba arrumou o palco rapidinho e por volta das 21h15min a leoa do nordeste entrou em cena com sua voz potente amparada por uma banda cada vez mais azeitada em que os metais dão um tempero todo especial! Quem tem a chance de assistir a um show de Elba com a banda completa em um super teatro como o Guaíra com toda certeza viverá uma experiência inesquecível. Como o próprio nome do projeto sugeria - Vozes de Mestre - a noite seria uma homenagem àqueles que "deram régua e compasso" a essa paraibana arretada; àqueles que lhe ofereceram pérolas dentre as quais, ao longo de seus trinta anos de estrada, ela elegeu as mais bonitas. O primeiro saudado foi Alceu Valença com sua Anunciação, que Elba nunca gravou mais caí como uma luva em sua voz. Depois vieram Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Nando Cordel, Cecéu, Acioly Netto, Flávio Leandro, Zé Ramalho, Carlos Fernando, Chico Buarque (na trilogia em que Elba abusa de sua sensualidade, de seu talento como cantriz)... Uma geração que a cada show ganha a referência daquela voz que melhor os representa, melhor os traduz. O povo curitibano que foi ao teatro naquela noite fria recebeu a Leoa do Nordeste com um calor imenso! Quase duas horas de espetáculo não foram suficientes para aplacar a sede de Curitiba pela arte de Elba Ramalho! E após o retorno de Elba para o bis, mais um momento emocionante: Elba chama ao palco um espectador muito ilustre: ninguém menos que o mestre dos mestres Ariano Suassuna que também é calorosamente revenciado pela platéia do Guaíra. A estrela da noite o homenageia com um trecho de Leão do Norte e fecha com chave de ouro uma noite memorável. Ouvi comentários na platéia de gente dizendo que foi para o teatro sem dar nada pelo show e saiu de lá completamente seduzido por Elba! Essa mulher é mesmo arretada!

PS: Após o show fui até o camarim cumprimentar Elba e tive o privilégio de vê-la comentando com os músicos que justo naquela noite não havia cantado duas das músicas prediletas de Suassuna: Ciranda da Rosa Vermelha e Tareco e Mariola e então cantou duas frases de cada uma dessas canções para que os músicos tivessem a certeza de quais canções ela estava falando. Não preciso nem dizer o quanto foi lindo ouvi-la a alguns centímetros de distância, cantando a capela com aquele vozeirão! Mesmo que tenha sido por ínfimos segundos!

Texto de Gabriel Lima para o blog Leoa do Nordeste
Foto do fã Paullo José (membro da comunidade de Elba Ramalho no orkut) que também estava presente no show.

Elba Ramalho no Santuário


Elba Ramalho aproveitou sua passagem por Curitiba, onde fez um show no Teatro Guaíra, para visitar o Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Nesta quarta-feira, dia 28, a cantora participou da Novena das 19 horas, onde rezou e cantou músicas como Ave-Maria de Gounod, Mãe do Céu Morena, de Padre Zezinho, e A Padroeira, de Joana. O celebrante Padre Primo Hipólito, missionário redentorista, destacou que a presença da cantora, devota de Nossa Senhora, é um prenúncio da abertura das comemorações dos 50 anos da Novena do Perpétuo Socorro em Curitiba (1960 – 2010), que acontece no próximo dia 11 de novembro no Santuário.



Fonte: Site da Paróquia do Perpétuo Socorro de Curitiba -PR
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Elba grava música com Padre Fábio de Melo





Fonte: Blog Pe. Fábio de Melo

Elba Ramalho celebra 30 anos de carreira

Cantora comemora com disco romântico regado a baiões, xotes e choros

Versão acústica do show de lançamento do disco Balaio de amor, de Elba Ramalho, chega ao Music Hall para apresentação única hoje, marcando as comemorações dos 30 anos de carreira da paraibana. “É a versão que temos feito em teatros, em espaços mais fechados. Aproveito para mostrar parte do repertório do CD, além de sucessos de carreira”, avisa Elba, que chega à capital acompanhada apenas de quatro músicos. Baiões, xotes, choros e canções de jovens discípulos de Luiz Gonzaga se destacam no Balaio da cantora, cuja temática em destaque não poderia ser outra senão o amor.

“Fiz o disco não só por estar apaixonada e por ter sido produzida pelo Cezinha (acordeonista, produtor e atual marido), que é o meu parceiro. Mas porque a nova geração de compositores do Nordeste que apresento nesse trabalho é top de linha”, pontua a intérprete. “Filhos de uma geração pós-Gonzaga e pós-Jackson do Pandeiro, eles foram tomando essa feição mais romântica. Isso com qualidade, com linhas melódicas e poesia bonitas. Principalmente Accioly Neto, autor de Me dá meu coração, que eu já havia gravado anteriormente”, completa Elba.

Preocupada com os rumos do mercado fonográfico, que classifica de urgente e displicente, a cantora chama atenção para a importância da sanfona, zabumba e triângulo, mestres de cerimônia da festa nordestina que invadiram salões Brasil afora, via forrós. Por outro lado, no entanto, Elba lamenta o fato de o forró hoje estar infestado de músicas descartáveis e apelativas, de nível considerado zero. “Não aprecio o forró bagaceira”, critica, referindo-se a adeptos até do streap tease no palco. “É o comércio. Prefiro ficar com Dominguinhos, Geraldo Azevedo, Accioly Neto.”

Além das composições dos conterrâneos Antônio Barros e Cecéu (Não lhe solto mais), ela mostrará a criação do cearense Xico Bezerra (Se tu quiser e Oferendar, com Flávio Leandro, da qual saiu o título do CD) e dos pernambucanos Flavio Leandro (Fuxico), Petrúcio Amorim e Rogério Rangel (Um baião chamado saudade), Maciel Melo e Anchieta Dali (Bebedouro), Terezinha do Acordeon e Júnior Vieira (Seu aconchego) e Jorge Altinho (Quem é você).

Velhos conhecidos de Elba, Accioly Neto e Nando Cordel contribuem com É só você querer, que integra a trilha da novela global das sete, Caras & bocas. Chico Buarque, Dominguinhos, Zé Ramalho, Vital Farias, Geraldo Azevedo, Lenine e outros autores gravados por ela também têm presença garantida no espetáculo, que, em breve, deverá ganhar versão em DVD gravado ao vivo, em praça pública, na presença de alguns autores. Em BH, a abertura do show ficará com o trio mineiro de forró Clandestino.

IMAGEM POSITIVA

Elba Ramalho lembra que uma das características de sua carreira é cantar para milhares de pessoas. Daí a escolha do Marco Zero, do Recife, para gravação do DVD de Balaio de amor. Já em fase de pré-produção, além de convidados e bailarinos, o show deverá reunir público de 100 mil pessoas. Da intérprete de voz estridente de Ave de prata, que marcou a estreia fonográfica, em 1979, à mais contida e sedutora da atualidade, Elba trilhou um longo caminho na música brasileira, rompendo barreiras e preconceitos. Com Luiz Inácio Lula da Silva no poder, ela crê que o Nordeste deixou de ser visto como a terra da seca e da fome.

“Lula é um presidente otimista”, repara a cantora, salientando que, antes dele, a região já havia se libertado de visões preconceituosas, graças ao forró universitário, que invadiu os grandes centros, e ao mangue beat de Chico Science, sem falar na atuação de artistas como Alceu Valença, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo, Lenine e ela própria, que ajudam a construir a imagem positiva do Nordeste de hoje.

Uma das principais características da cantora, que também é atriz, é o lançamento de novos compositores. Além de ser a primeira a cantar Lenine, ao lado de Daniela Mercuri e Zizi Possi ela foi a primeira a dar voz a Chico César. Assim como a Luiz Caldas, Lula Queiroga, Nando Cordel, Carlinhos Brown e tantos outros autores já estabelecidos no mercado.

“Nossa função é abrir espaço para eles, acreditar que podem conquistar mercado”, aposta ela, lembrando que, no país das cantoras, há muitas Elbas, Bethânias, Marinas, Joanas, Angelas e tantas outras candidatas a porta-vozes desses compositores. Entre os novos gravados por ela, além de Cezinha, com quem divide os vocais em É só você querer, de Nando, Elba aposta em Accioly Neto, que, mesmo já tendo morrido, continua emplacando sucessos.

SERVIÇO:
Sexta, às 22h, no Music Hall, Avenida do Contorno, 3.239, Santa Efigênia, (31) 3461-4000.Ingressos, com valores sujeitos a alterações sem aviso prévio: pista, 1º lote, R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia); 2º lote, R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia); mesa (valor individual, sem meia-entrada no setor): 1º lote, R$ 50 (inteira); 2º lote, R$ 60 (inteira); 3º lote, R$ 70 (inteira), e 4º lote, R$ 80 (inteira). Classificação Etária: 18 anos. Venda de Ingressos: hoje e amanhã, das 12h às 20h, na bilheteria do Music Hall, Avenida do Contorno, 3.239, Santa Efigênia); Loja 5ª Avenida (27C no 3º piso); Leitura Megastore BH Shopping; site www.ingressorapido.com.br; e fone 4003-1212.

Fonte: UAI

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

“Uma jovem senhora” e sua ode ao Nordeste

Elba Ramalho se apresenta hoje em Curitiba. Show faz parte da turnê de lançamento de Balaio de Amor, seu último disco, e do Centro Cultural Banco do Brasil Itinerante

Ela tem 57 anos, mas se diz “uma jovem senhora”. A todo vapor, cantou para quase um milhão de pessoas no último Brazilian Day, em Nova York. A correria é “danada”. Os shows são muitos. “No Brasil inteiro, de ponta a ponta”. Mas El­­ba Ramalho não tem do que reclamar. “Agora é que tá gostoso”, diz a paraibana, que se apresenta hoje à noite no Teatro Guaíra.

Balaio de Amor, seu disco mais recente (junho de 2009), foi o passo mais importante para celebrar os 30 anos de carreira. Elba – que já tocou bateria em uma banda de meninas na década de 1960 e também foi atriz de curta carreira – em 1979 lançou Ave de Prata. Com o álbum de estreia, definiu sua verve expressionista com performances originais. Passadas três décadas, seis discos de platina e 13 de ouro, o novo trabalho é uma ode ao Nordeste e a compositores pós-Luiz Gonzaga e deverá dar o rumo do show desta noite.

“Estou mais madura. Tenho mais propriedade e autoridade sobre o meu trabalho”, comenta a cantora.

Com o novo álbum, uma tradição de renovar se retoma. Foi Elba quem primeiro gravou uma canção de Lenine, por exemplo. A cantora, que mora no Rio de Ja­­neiro, voltou a estabelecer contato íntimo com a arte nordestina ao encontrar o pernambucano Ce­­zinha, de 33 anos – namorado, produtor do disco e compositor. “Não estava a par do que acontecia em Pernambuco e na Pa­­raí­ba, mas depois que ele [Ce­­zinha] veio tocar na minha banda, fui mais a Recife e consegui interagir de outra forma. Ele tem uma visão urbano-romântica e acho que isso está presente no disco”, afirma Elba.

Entre as músicas gravadas, há composições de Accioly Neto, Xico Bizerra e Teresinha do Acordeom. Quem não poderia faltar era seu amigo, cúmplice e principal parceiro Dominguinhos, que coassina duas músicas. “Me sinto como uma porta-voz do Nordeste. Sinto que pu­­de dizer ao resto do Brasil e ao mundo a força da nossa cultura.”

Show
Para o sho
w em Curitiba – o último na cidade foi em 2007, também no Guairão –, Elba Ramalho avisa que o repertório não será totalmente baseado no último trabalho: “Banho de Cheiro”, “De Volta pro Aconchego” e “Bate Co­­ra­­­­ção” de­­vem vir com toda força. So­­bre o público curitibano, só elogios. “Não há diferenças em relação a outros lugares. Não há muros de­­limitando territórios. Eles caem com a interação”, diz.

SERVIÇO:
Elba Ramalho – Lançamento do disco Balaio de Amor. Teatro Guaíra (Pça. Santos Andrade, s/n.º), hoje às 20h. Ingressos esgotados. Mais informações: (41) 3304-7900.

Fonte: Portal RPC

domingo, 25 de outubro de 2009

Trinta anos de uma "ave de prata"

Elba Ramalho sobe ao palco do Music Hall na próxima sexta-feira (30) para lançar "Balaio de Amor"

MILTON LUIZ

Quando lançou "Ave de Prata" (1979), seu primeiro disco, a voz de Elba Ramalho provocou estranhamento. Não foram poucos os que lhe pouparam comentários mordazes. Houve quem dissesse que aquela voz estridente, que abria o álbum com uma versão incendiária de "Canta Coração" (Geraldo Azevedo e Carlos Fernando), não passava de uma "gralha". Mas, como o tempo é senhor da razão (e não há nada mais clichê do que isso), a paraibana de Conceição do Piancó (PB) passou incólume pelas críticas e, 30 anos depois, firmou definitivamente seu nome na música popular brasileira.

Elba, que é um furacão no palco (quem já viu, sabe o quão ela é performática em cena), volta a Belo Horizonte para lançar seu álbum mais recente, "Balaio de Amor", em show único na próxima sexta-feira (30), no Music Hall. Em entrevista para divulgar o novo "rebento", a cantriz (termo que ela mesmo adora adotar, se definindo uma espécie de cantora e atriz) sintetiza o conceito que norteou o repertório: "É um deleite para os ouvintes mais atentos. Um disco de amor, cheio de recados para quem gosta de dançar e que mostra uma alegria essencialmente nordestina", determina.

Em "Balaio de Amor" (o título é um verso de "Oferendar", do compositor pouco conhecido no Sul e Sudeste, Xico Bezerra), Elba retoma uma de suas principais características: apostar em talentosos compositores, principalmente da Paraíba e de Pernambuco, e emprestar a voz a baiões e xotes românticos. Em declaração ao "Jornal da Tarde", de São Paulo, ela justificou a escolha por autores que representam a tradição nordestina: "Essa é uma maneira de mostrar que não existe apenas o forró pornográfico, com bandas que não têm a menor pretensão de manter uma tradição cultural. Eles querem comércio, sacanagem, palavrão. Os compositores que eu escolhi representam a resistência".

O crítico carioca Mauro Ferreira acerta, ao comentar em seu blog (www.mauroferreira.blogspot.com.br), o repertório do CD: "A produção, assinada por Elba com o sanfoneiro Cezinha, embala com capricho os temas amorosos de compositores de projeção restrita ao Nordeste. Em boa forma vocal, a cantora usa tons suaves condizentes com o clima de músicas como ‘Fuxico’ (Flávio Leandro) e ‘É Só Você Querer’, de Nando Cordel e Fausto Nilo, uma das melhores já gravadas pela cantora’".

Quanto à voz, tão criticada, ganhou maturidade após três décadas de estrada. "Há 30 anos, a intérprete vibrante e de timbre marcante já estava lá, mas aprendi a explorar outras regiões vocais; o grave e o médio. A ansiedade da iniciante, que arriscava tudo, deu lugar para uma artista mais serena e dona da arte do seu ofício", avalia Elba. Em tempo: o show de abertura fica por conta do Trio Clandestino e os ingressos custam R$ 40 (pista, inteira, 1º lote) e R$ 50 (mesa, inteira, 1º lote).

Fonte: O Tempo

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Elba Ramalho vai sacudir o Ilhacústico com músicas do novo CD 'Balaio de Amor'

Elba Ramalho vai sacudir o Ilhacústico no próximo dia 31. A cantora, natural da Paraíba, passa por Vitória onde apresenta seu novo trabalho - "Balaio de Amor", comemorando os 30 anos de carreira. Os fãs capixabas vão poder aproveitar a ocasião para ver também o músico sanfoneiro e o namorado de Elba, Cezinha do Acordeon, que também vai se apresentar. O show terá ainda as participações de Diogo Cypriano, Forró Bem Tivi e Forró Comichão. As atrações sobem ao palco a partir das 22h.

No novo trabalho, Elba apresenta uma mescla de compositores antigos e novas gerações. O disco está repleto de xotes e baiões, além da canção "Ilusão Nada Mais" de Dominguinhos e Fausto Nilo. Além dessa mistura, gravações dos compositores nordestinos como Chico Bezerra, Acioly Neto, Maciel Melo, Dominguinhos, Rogério Rangel, Petrucio Maia, Terezinha do Acordeon e do sanfoneiro Cezinha, vão agitar quem estiver presente no Ilhacústico.

Sucessos antigos como "Banho de Cheiro", "Ciranda da Rosa Vermelha", "Bate Coração", "Luar do Sertão" e "Entre o Céu e o Mar", grande sucesso da novela Porto dos Milagres, estão presentes no repertório que a cantora vai apresentar aos fãs capixabas.

O novo CD, "Balaio de Amor", está concorrendo ao Grammy Latino na categoria "Melhor Álbum de Música de Raízes Brasileiras Regional" e está entre os cinco indicados ao maior prêmio de música da América Latina.

SERVIÇO:
Show: Elba Ramalho
Local: Ilhacústico - Alameda Ponta Formosa, na Praia do Canto.
Horário: 22h
Ingressos: Pista R$ 20,00 (meia) e Camarote R$ 30,00 (meia)
Pontos de venda: Lojas Hering (Shopping Norte Sul, Vitória e Praia da Costa), Rangão Lanches e Pizzaria (Mata da Praia e Laranjeiras) e comissários

Fonte: Gazeta Online

Elba Ramalho mostra seu novo disco em Belo Horizonte

Em 1979, a cantora Elba Ramalho lançou Ave de prata, seu primeiro disco. Foi apenas o início de uma carreira vitoriosa, com mais de seis milhões de discos vendidos, apresentações no Brasil e no exterior e o reconhecimento como uma das grandes vozes da música brasileira.

Agora, para comemorar os 30 anos de estrada, a cantora lançou o disco Balaio de amor, em que resgata as origens do seu trabalho, investindo em compositores nordestinos. E é neste clima de celebração e festa que Elba Ramalho vem para Belo Horizonte.A cantora vai se apresentar no dia 30 de outubro, no Music Hall, mostrando as novidades de Balaio de amor e os clássicos deste 30 anos de sucesso.

Um dos destaques da apresentação é o uso que a cantora faz da sua voz. Como um veterano de futebol, que já não tem mais a velocidade do começo de carreira mas aprendeu a cadenciar o ritmo de jogo, Elba aprendeu ao longo dos anos a explorar outros tons.

"Há 30 anos, quando lancei Ave de prata, a intérprete vibrante e de timbre marcante já estava lá, mas aprendi a explorar outras regiões vocais; o grave e o médio", avaliou a cantora. "A ansiedade da iniciante, que arriscava tudo, deu lugar para uma artista mais serena e dona da arte do seu ofício", explicou. Músicas que devem estar no repertório da noite, como Gostoso demais, De volta pro meu aconchego e É só você querer são exemplos deste uso de novos timbres.

Os ingressos para a apresentação já estão à venda na bilheteria do Music Hall e custam a partir de R$ 20.

SERVIÇO:
Show dia 30 de outubro, sexta-feira, às 22h, no Music Hall. Av. do Contorno, 3237, Santa Efigênia. Informações: (31) 3461-4000. Ingressos: Pista: 1º lote: R$ 40 (inteira), R$ 20 (meia); Mesa: 1º lote: R$ 50. Classificação Etária: 18 anos. Venda de Ingressos: Bilheteria do Music Hall, de segunda a sábado, das 12 às 20 horas (Avenida do Contorno, 3239 - Santa Efigênia); loja 5ª Avenida (27C no 3º piso), Leitura Megastore BH Shopping, pelo site www.ingressorapido.com.br e telefone 4003-1212.


Fonte: UAI

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Elba Ramalho é flagrada com Maria Paula, sua terceira filha


No fim do ano passado, a cantora Elba Ramalho conseguiu a guarda provisória de Maria Paula, de 5 anos (na foto, a menina de boné). Desde então, a cantora evitava sair em público. No domingo, a coluna flagrou, pela primeira vez, a família completa. “Minhas três Marias são a minha vida (as outras duas meninas chamam-se Maria Clara, de 6 anos, e Maria Esperança, de 2)”, disse Elba, ontem, à coluna e completou: “A Paulinha é muito dócil e trouxe mais luz para a minha casa”. Elba ainda não tem a guarda definitiva da menina, mas é algo que deve acontecer em breve. “É interessante por que, mesmo adotada, elas parecem muito comigo quando eu era pequena. Principalmente a menorzinha, a Esperança”, contou a cantora.

Fonte: Extra Online

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Monobloco agrega Elba ao gravar segundo DVD

Já em processo de aquecimento para o Carnaval de 2010, o grupo carioca Monobloco grava seu segundo DVD nesta sexta-feira, 16 de outubro, em show inédito na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro (RJ). Elba Ramalho vai participar da gravação. Agregada ao baticum percussivo do coletivo capitaneado por Pedro Luís, a cantora vai reviver Eu Só Quero um Xodó (xote de Dominguinhos e Anastácia, lançado por Gilberto Gil em 1973) e Festa do Interior (frevo de Moraes Moreira e Abel Silva, propagado originalmente por Gal Costa em 1981). O grupo exibirá novo repertório no show.

Fonte: Mauro Ferreira

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Elba Ramalho emociona em show na Capital gaúcha

Quem esteve no show de Elba Ramalho no Teatro do SESI, em Porto Alegre, na noite de quarta-feira, 7 de outubro, viveu uma experiência de quase 2h de música de qualidade excepcional.

A cantora está comemorando 30 anos de carreira com uma performance espetacular e uma voz que leva a emoções diversas. O repertório foi inesquecível, visitando aquele que ela chama de mestre, Luiz Gonzaga, além de Jacó do Bandolim, Belchior, Zé Ramalho, Chico Buarque, a lendária Elizete Cardoso e uma série de novos nomes de compositores nordestinos, a quem prestou constante homenagem.

Segundo Elba, este show foi do tipo intimista, com apenas três músicos, e, por isso, incluiu algumas canções que normalmente não canta em espetáculos maiores. Mas quem achou que iria para casa sem ouvir a Elba dizer que queria um banho de cheiro, se enganou! Ela ia encerrar com o hit que marcou época na sua carreira e já animou multidões em carnavais na Bahia e no Brasil todo. E até cantou, mas aproveitando a motivação filantrópica desta apresentação, cuja renda foi revertida para o Mosteiro Nossa Senhora de Nazaré, de Rio Pardo, finalizou com uma Ave Maria em Latim. Nem é preciso dizer que, às 23h, esta foi a oração comovida da noite de um público que se sentiu presenteado.

Fonte: Porto Cultura
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

Canta Brasil leva Elba Ramalho à Vila Gaúcha para homenageá-la

O Canta Brasil deve inaugurar em dezembro deste ano o Espaço de Desenvolvimento Humanitário Elba Ramalho, na Vila Gaúcha, no Morro Santa Tereza, em Porto Alegre. A cantora é madrinha do projeto e na tarde de terça-feira, 6 de outubro, visitou o local onde será a sede que levará o seu nome. Ao chegar, Elba foi recebida por um grupo de moradores e assistiu uma apresentação de dança de crianças e adolescentes integrantes do Canta Brasil. Ela brindou a comunidade com um trecho a capela de um dos seus clássicos, a música ‘De volta pro meu aconchego’.

Fonte: Porto Cultura
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Show de Elba beneficia o mosteiro de Rio Pardo

A cantora paraibana de MPB, Elba Ramalho, realiza amanhã um show no Teatro do Sesi, no Centro de Eventos Fiergs, em Porto Alegre. Amiga pessoal do prior e monge-padre dom Roberto Maria, a artista presenteará com a apresentação o Mosteiro Cisterciense Nossa Senhora de Nazaré, de Rio Pardo. O lucro se destinará à construção da capela na área onde os monges desenvolvem as suas atividades, desde o final de março de 2004, na localidade de Passo do Adão.

A apresentação começa às 21 horas, com ingressos a R$ 70,00. Os bilhetes antecipados podem ser adquiridos nas lojas Multisom da Rua dos Andradas (telefones 3931 5283/3931 5281), Shopping Iguatemi (3931 5331) ou Shopping Canoas (3941 6211). O ano de 2009 marca as três décadas de estrada da cantora, comemorados com o novo disco Balaio de Amor, que concorre ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Música de Raízes Brasileiras – Regional. A premiação acontecerá no dia 5 de novembro em Las Vegas, nos Estados Unidos, e será transmitida para o Brasil pela TV Bandeirantes.

O Mosteiro de Nossa Senhora de Nazaré funcionou inicialmente, de forma provisória, na Casa Jesus Maria José, cedida pelo bispo diocesano. A Ordem Cisterciense surgiu há 900 anos e desenvolve atividades em Rio Pardo desde 1999. O mosteiro é o primeiro da ordem no Estado. As terras, a 30 quilômetros do Centro da cidade, para onde houve a transferência em 2004, foram doadas pela família Zaffari. O mosteiro é um lugar de recolhimento, clausura, afastamento do mundo e de acolhimento daqueles que buscam a paz, palavra e direção.

Fonte: Gazeta do Sul

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Elba leva sua arte aos quatro cantos do país no mês de outubro

A cantora Elba Ramalho percorrerá o Brasil, literalmente, de ponta a ponta neste mês de outubro. A maratona começa com uma parada na paradisíaca Canela na serra gaúcha na próxima segunda-feira, 5 de outubro, onde receberá um troféu mais que merecido pelos seus 30 anos de carreira, na Festa Nacional da Música de Canela. Ainda na região sul do país, Elba canta no Teatro Fierges em Porto Alegre-RS, na quarta-feira, dia 7. Do friozinho gaúcho, a leoa vai para o litoral fluminense e se apresenta no Espaço de Eventos do Jardim Esperança na cidade de Cabo Frio-RJ na sexta-feira, dia 9. No dia 10 voa do sudeste para o Nordeste e aterrisa para um show na cidade de Gravatá, dentro do projeto Pernambuco conhece Pernambuco. No dia seguinte anima aqueles que optarem por curtir o feriadão de Nossa Senhora Aparecida na floresta Amazônica; Elba Ramalho faz um show exclusivo para os hóspedes do Hotal Amazon Jungle Palace em Manaus-AM. Depois de descansar alguns dias, Elba volta a Pernambuco no dia 25 para participar da gravação do primeiro dvd da cantora Cristina Amaral. O show A Vida é um Circo será gravado no Sítio da Trindade em Recife e contará, além de Elba, com as participações de Geraldo Azevedo, Santanna, Petrúcio Amorin, Cézar Amaral e Cezinha. No dia 28 volta ao sul e se apresenta no Teatro Guaíra em Curitiba. No dia 30 leva seu forró ao Music Hall de Belo Horizonte-MG no show "Acúsitco Balaio de Amor" e encerrando o mês, canta no dia 31 em Vitória-ES no Ilhacústico, acompanhada por Cezinha. Haja fôlego, Elba!!

Créditos: Gabriel Lima

Elba Ramalho receberá o Troféu 2009 na Festa Nacional da Música de Canela pelos 30 anos de carreira

Filha do sertão nordestino e completando três décadas de carreira, a Ave de Prata continua a dar um banho de musicalidade. É mais de 30 anos de uma carreira iniciada no final da década de 70, quando, após integrar o elenco da montagem original da peça “A ópera do malandro”, de Chico Buarque, surpreendeu o país com o LP “Ave de Prata”, inspirado na composição homônima de Zé Ramalho. O disco já incluía canções de compositores nordestinos, uma das marcas da cantora ao longo da carreira, além da faixa “Não sonho mais”, de Chico Buarque. Nascida no alto sertão da Paraíba, sob o signo de Leão, cercada de religiosidade e fé, Elba herdou a musicalidade de seu pai, que a despertou cedo para a mais sublime das formas de comunicação; a música. Foi também rodeada pelo solo seco e vegetação árida que a cantora se familiarizou cedo com os mais diversos ritmos da região: baião, maracatu, xote, frevo, pastoril, caboclinhos e forrós. Gêneros que preservam a pureza de uma cultura eminentemente popular. Elba iniciou a experiência musical tocando bateria no conjunto “As Brasas”, formado somente por mulheres. Isso foi em 1968, ano em que também cursava as faculdades de Economia e Sociologia. Foram cinco anos de estudos, mas o diploma não veio. O conjunto musical se transformou em grupo teatral. Mesmo optando pelo teatro, Elba continuava a cantar, participando de diversos festivais pelo nordeste. Em 1974, trocou a Paraíba pelo sul do país, chegando ao Rio de Janeiro com o Quinteto Violado. Na capital fluminense se estabeleceu como atriz de teatro, mas sempre em musicais, onde a atriz encontrava a intérprete. Em 77, participou de “Morte e vida severina”, filme inspirado na obra de João Cabral de Melo Neto. Em 78, integrou o elenco da peça “A ópera do malandro”, de Chico Buarque. Sua interpretação de “O nosso amor” com Marieta Severo lhe valeu prêmios e seu primeiro contrato como cantora com a gravadora CBS. Rapidamente desponta no meio musical e passa a integrar com justiça o primeiro time da música popular brasileira. Popular brasileira, esta é a palavra-chave de sua trajetória. Os discos se seguiram a cada ano, juntamente com shows que cada vez marcavam mais o seu domínio dos palcos. Seus espetáculos abrangem todos os públicos. São shows em grandes teatros, arenas, feiras agropecuárias, festivais de jazz, festas juninas, carnavais, festivais de rock, convenções e todos os tipos de eventos. Sua voz única já foi igualmente ovacionada nos grandes palcos internacionais, como o Olympia, de Paris, o Blue Note, de Nova York, o Brixton Academy, de Londres, e o Festival de Montreaux, na Suíça. Elba justifica a imensa abrangência do seu público pela versatilidade do seu trabalho. Em 96, lançou o bem sucedido LP “Leão do Norte”, inspirada na canção de Lenina e Paulo Cesar Pinheiro que exalta a cultura pernambucana. O show homônimo, dirigido por Jorge Fernando, é sucesso absoluto em todo o Brasil e arremata o prêmio de “Melhor show do ano”, pela Associação de Críticos de Arte de São Paulo. Naquele mesmo ano, excursiona com o show “O grande encontro”, juntamente com Alceu Valença, Zé Ramalho e Geraldo Azevedo. O primeiro disco da trilogia vende mais de 1 milhão de cópias e se firma como repertório essencial de uma época. “Baioque” é o projeto musical de 1997. Enquanto disco, Elba repetiu o sucesso anterior ao entregar a produção musical a Robertinho do Recife. Como show, mais uma vez Elba firma parceria com Jorge Fernando e arrebata as platéias de norte a sul. Logo em seguida, lança mais um grande sucesso, “O grande encontro II”, desta vez com Geraldo Azevedo e Zé Ramalho. E mais uma vez, roda todo o Brasil em turnê. No ano de 98, é a vez de “Flor da Paraíba”, um CD no qual Elba escolheu um repertório em que resgata os sentimentos nordestinos. A intérprete buscou jóias do cancioneiro que valorizam a riqueza do universo da MPB. O nome do álbum é inspirado em uma dedicatória feita, há muitos anos, por Caetano Veloso, quando a cantora acabara de chegar ao Rio de Janeiro para despontar no meio musical. Em 1999, Elba Ramalho comemorou “Vinte anos de carreira”. Às vésperas do novo milênio, preparou o álbum duplo “Solar”, com uma parte gravada em estúdio, durante os festejos juninos na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, em Salvador, e outra ao vivo, com arranjos de Wagner Tiso (“Canção da despedida” e “Imaculada”) e Jaques Morelenbaum (“Palavra de mulher”). O disco conta com as participações de Chico Buarque (“Não sonho mais”), Zé Ramalho (“Ave de prata”), Lenine (“Nó Cego”), Nana Caymmi (“Imaculada”), Geraldo Azevedo (“Kukukaya”), Margareth Menezes (“Quem é muito querido a mir”) e, tem participações de Dominguinhos (“Retrato da vida”) e Alceu Valença (na inédita, “Trem das ilusões”). Em seguida ao lançamento do CD no Brasil, Elba segue em turnê para a Europa, passando por festivais de diversos países, entre eles em Portugal, Itália, Alemanha, Suíça e França. O ano 2000 volta a reunir novamente Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Zé Ramalho com o CD e DVD “O grande encontro III – Ao vivo”, gravados durante um show no Rio de Janeiro com participações especiais de Lenine, Belchior e Moraes Moreira. Inquieta, Elba não para, seguindo com Geraldo Azevedo para Los Angeles, EUA, onde gravaram um disco ao vivo. No repertório do disco, destinado ao mercado norte-americano, estão os maiores sucessos dos dois artistas. Retornando ao Brasil, Elba recebe o convite para participar do Rock In Rio III, juntamente com Zé Ramalho. Os primos preparam um grande show, relembrando vários sucessos na cidade do rock. O CD “Cirandeira” foi o lançamento de 2001. Repleto de forrós, xotes e baiões, o trabalho quebrou as barreiras do regionalismo e conquistou o sul do Brasil. Lenine abre o disco com a música-título “Cirandeira”, transportando o ouvinte ao mar de Itamaracá. Os trabalhos que vieram na seqüência em 2002, 2003 e 2005 marcaram homenagens ao nordeste brasileiro e seus grandes compositores. Em “Elba Canta Luiz”, de 2002, a paraibana se volta para a obra do rei do baião, principal nome responsável pela popularização dos gêneros nordestinos no eixo Rio-São Paulo. Elba transita com familiaridade por canções como “O xote das meninas” e “Vem morena”. O CD rendeu ainda belo DVD gravado no Rio de Janeiro. Ainda na mesma seara do velho sertão, a cantora lança no ano seguinte “Elba ao vivo”, que inclui - além de clássicos de Luis Gonzaga, como “Asa branca”, “Qui nen jiló” e “Assum preto” – a bela “Luar do sertão”, de João Pernambuco e Catulo da Paixão Cearense. Elba busca de renovação e retorna ao estúdio em 2007, quando lança o CD “Qual o assunto que mais lhe interessa?”, em que atualizou o repertório, mantendo a coerência artística de seus projetos anteriores. Produzido por Lula, Yuri e Tostão Queiroga, o CD coloca em discussão temas que ocupam os noticiários e questionam a contemporaneidade. Dos nordestinos habituais - frevo, boi maranhense, ciranda, xote - ao samba tradicional bem ao gosto do carioca, Elba transgride rótulos e dilui fronteiras entre canções nunca registradas em sua voz e inéditas. O álbum lhe valeu o Grammy Latino 2008 na categoria regional contemporâneo e inspirou o DVD “Raízes e antenas”, lançado em 2008, que retrata a atual fase da artista em misto de documentário e registro ao vivo. Elba retornou a Conceição, sertão paraibano onde nasceu e rememorou sua origem ao lado de seu pai, João Nunes, de 90 anos. Sua intimidade familiar aparece em recortes na bela “casa-refúgio” em Trancoso ou em sua residência no Rio, que fornecem um perfil humano da artista. O ano de 2009 marca as três décadas de estrada. A artista já prepara o álbum “Balaio de amor”, em que retorna ao nordeste num álbum de baladas românticas com canções da nova safra de compositores do nordeste. E dessa maneira, Elba segue firme, levando seu canto maduro e ainda hoje marcado pela originalidade e beleza. Por sua história de 30 anos de sucesso, Elba Ramalho será homenageada na Festa Nacional da Música 2009.
A homenagem a Elba acontecerá na próxima segunda-feira - 5 de outubro - 21h30min e, de acordo com o site será transmitida ao vivo para o mundo todo pelo endereço da Festa Nacional da Música Vamos conferir!!!!

Fonte: Site da Festa Nacional da Música.
Gabriel Lima para o Leoa do Nordeste